terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Francisco Urbano

Se o ex-craque Paulo Roberto Falcão chegou a declarar que "o jogador de futebol morre duas vezes. A primeira, quando para de jogar", pode-se dizer que o radialista nasce duas vezes. A última, quando estreia no rádio. No caso de Francisco Urbano, nascido em Belém no dia 6 de Junho de 1957, a estréia nos microfones se deu em 1986, na Rádio Clube do Pará, quando esta funcionava no Travessa Curuzu. "Comecei no programa Plantão da Meia Noite, apresentado por José Lessa. Nesta época também tinha na equipe o professor Beraldo Francês. Mas posso ressaltar que muitos radialistas foram importantes na minha formação como profissional, mas citar nomes seria correr o risco de deixar alguém de fora", relembra ele.
Além da Rádio Clube, Francisco também trabalhou em outras emissoras: Rauland, Liberal e Marajoara. Ao longo de sua carreira, ele sempre trabalhou ligado ao esporte, sobretudo o futebol. Dentre os destaques da carreira deste radialista esta a cobertura do jogo Brasil  x Argentina, no Mangueirão, em 2011.
Segundo o radialista a família é a base de tudo, dentro e fora do rádio. E foi movido por problemas de saúde na família que Francisco Urbano decidiu se afastar dos microfones no final de 2014, no auge da carreira, compondo a melhor equipe de rádio esportivo, na Rádio Clube, comandada por Guilherme Guerreiro. Foi uma decisão corajosa de quem tem talento e experiência para voltar quando puder. Afinal, como diz àquela canção escoteira "Não é mais que um até logo. Não é mais que um breve adeus. Bem cedo, junto ao fogo, voltaremos a nos ver".

domingo, 14 de dezembro de 2014

Nilton Cesar - "O Indomável"

Entrevistando o craque Pikachu
Nilton Cesar, também conhecido como "O Indomável",   nasceu em 14 de Dezembro de 1973. Foi setorista da Tuna Luso. Mas foi ao noticiar, nos microfones da Super Marajoara AM, o dia-a-dia do Paysandu que ele escreveu seu nome na história do rádio paraense. Este, aliás, é o orgulho de Nilton. Já são mais de 13 anos acompanhando o time de coração, diariamente. "O bicola é o time que mais glórias deu ao futebol paraense, o maior detentor de títulos no futebol estadualç além de centenário, possui a maior torcida do Norte. Será que alguém tem dúvida disso?", indaga o repórter. Entre os muitos furos de reportagem, Nilton foi o primeiro a noticiar a contratação do craque Wandick Lima pelo Paysandu, que anos depois se tornaria presidente do clube. "A notícia era tão importante na época que ele entrou no lendário programa policial "A Patrulha da Cidade", já que a "Sentinela Esportiva" já tinha terminado.
Com Diego Beckeman entrevistando Lecheva
Sua ida para a Curuzu foi a partir da indicação do então corrdenador de esportes da emissora, Nildo Matos e do chefe da da equipe esportiva, Toninho Silva.  

Fonte: Jornal da Aclep

Haroldo Caracciolo - "que lambada da boa"

 
"Vai Ai Uma Lambada" !! Era o "pedido" na década de 1960/70, do radialista Haroldo Caracciolo, para que os donos de bares colocassem uma dose de Cachaça/Pinga, aguardente no seu copo para beber. E com esse bordão (uma expressão comumente repetida por alguém, ou alguma atitude repetida, sempre em uma determinada situação. Também serve para facilitar a identificação de diversos personagens no meio humorístico/artístico), o radialista que muito jovem se viciou na bebida alcoólica, pedia para os atualmente chamamos de DJ, seus companheiros de rádio, já na década seguinte de 70, que eles colocasse uma música para os ouvintes, geralmente músicas do Caribe chamadas de Merengues. E quando ele usava esse bordão na rádio, saia rapinho para degustar uma lambada. Tomava e levantava os braços estalando os seus dedos. "que lambada da boa". 
Haroldo Caracciolo por grandes emissoras, onde despontou seu talento. Destaque para a Rádio Liberal no início da década de 70. Também passou pela Rádio Clube e Educadora de Bragança, cidade onde faleceu em decorrência de problemas provocados pelo alcoolismo.
Fonte: Paulo e Fabrício Caracciolo


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Hilbert Nascimento, o Binho Dilon

 Hilbert Nascimento, o Binho Dilon, nasceu em Belém, no dia 10 de janeiro de 1969. Formado em Comunicação Social e Relações Publicas pela Unama, ele iniciou no rádio em junho de 1986 na Carajás FM, hoje 99FM. Ele foi apresentado ao rádio pelo amigo Mauro Cleber que o levou pra fazer um teste. E na Carajas FM, Binho ficou por uns dois meses. Depois foi pra Radio Cidade FM, onde passou um mês.
Em agosto de 1986 se transferiu para a Radio Liberal FM, a convite do Giuseppe Tomazzo.
Na emissora da família Maiorana Binho Dilon passou pela madrugada e logo assumiu o a apresentação do Good Times e neste programa romântico ele permaneceu até 1992, quando saiu da locução.
A partir daí passou a agir nos bastidores. Primeiro ficou na área Comercial da TV LIberal. Ficou no atendimento publicitário da Ivo Amaral Publicidade e depois na CA Comunicação.
Em abril de 1993 fui convidado para assumir a direção comercial de uma então nova rádio popular, que iria entrar no mercado. Tratava-se da implantação, juntamente com Sérgio Duarte, da 99 FM. Binho também participou nesta época da reformulação da Rádio Clube do Pará.
Ele ainda incorporou a direção comercial da Antena 1 FM e da TV RBA. Mas em 1999 saiu da da Antena 1 e criou com o Kleber Barros e o Julio Araújo, a Diário FM.
Em dezembro de 2001 deixou a RBA, cada uma liderando a audiencia em seu segmento e foi contratado para assumir a Direção Geral do Sistema Liberal de Rádio. Ele foi responsável pela mudança dos estúdios da Radio Liberal para Braz de Aguiar.
Atualmente Hilbert Nascimento é Diretor do Sistema Jangadeiro de Rádio, em Fortaleza. São 8 emissoras FM, sendo 2 na capital e 6 no interior. São emissoras como Tribuna Band News FM 101,7 que é afiliada a Rede Band News de São Paulo. Também tem a Jangadeiro FM, segunda colocada em audiência na capital cearense e a Redde Jangadeiro FM que cobre 75% do estado do Ceará

Com a 99FM ganhou um Top de Marketing da ADVB-Pa e outro Top de Marketing com a Diário FM. Na Liberal ele ganhou duas Comendas de Mérito da Assembleia Legislativa do Pará, que são as honrarias mais importantes da Casa.

Janjo Proença - Jovem Pan

  João Augusto Proença, o “Janjo” marcou sua história no rádio atravpes da Rádio Cidade e da Jovem Pan. De riso solto, descontraído, a história de Janjo e sua família se confundem com boa parte da Comunicação radiofônica no Pará. Seu avô era Edgar Proença que juntamente com dois amigos, Roberto Camelier e Eriberto Pio, trouxe para Belém, no final da década de 20 do século passado, a primeira emissora de rádio e a quinta em todo o Brasil. Ou seja, a legendária PRC-5, a “voz que falava e cantava para a planície” nasceu na família Proença. Na família também nasceram outros radialistas, Edyr Proença e os irmãos Edyr Augusto e Edgar Augusto.
"Já adulto, comecei a discotecar. Trabalhei como DJ – era moda – e eu já era de rádio...", conta ele  que ainda acrescenta ter  passado boa parte de sua vida dentro da discoteca da Rádio Clube (que sucedeu a PRC-5, ). "Eram mais de 30 mil vinis ali e foi meu primeiro emprego. Era uma coisa que o papai tinha, se a gente quisesse trabalhar:_ Vai trabalhar lá na rádio", recorda Janjo cujo ofício na época era limpar os vinis, organizá-los, separá-los de acordo com a playlist.
Na Rádio Cidade, ao lado de Jones Tavares e Edyr Augusto ajudou a revelar talentos como Carlos Alberto e Sílvio Júnior, entre outros. Na apresentação do Sequência Máxima da Jovem Pan, Janjo Proença também se destacou. O talento é de família.
Fonte: Revista Leal Moreira

Beth Dopazo - Multitalentosa da comunicação

 Bernade Dopazo de Vasconcelos, mais conhecida como Beth Dopazo nasceu em 16 de agosto de 1964. Formação em filosofia, com especialização em marketing. Multi talentosa na comunicação, Betty transita com maestria no marketing, rádio, teatro, televisão, cinema, fotografia.
Mas no rádio ela iniciou em 1986 na Rádio Cultura Onda Tropical, aprovada no teste da Iara Brasil, atriz e locutora. Seu primeiro emprego, ao mesmo tempo em que estava em cartaz como protagonista na peça 'A Mulher Sem Pecado', de Nelson Rodrigues, produção do Grupo Experiência. "Gosto de televisão como se fosse rádio. Tem que ser espontâneo, improvisado. Não gosto do jornalismo. Eu gosto da produção, de trabalhar criando a cada dia, exercitando-me', explica.
No cinema, grávida, foi figurante na película a Floresta das Esmeraldas, dividindo o espaço com a atriz paraense Dira Paes. Na televisão, apresenta programas especiais na cultura. Conheceu ainda, o funcionamento da então Rádio Cidade.
No marketing direto, esteve representante e divulgadora da gravadora Warner Music e Abril Music.
Na rádio Cultura, Betty apresentou programas de grande sucesso. Entre eles o Rota 93, ao lado de Ismaelino Pinto.


Fonte: Morenocris