segunda-feira, 5 de maio de 2014

Tonynho Santos – Ele é “Debaaaaaaaais!”


A maior novidade do rádio paraense dos últimos anos nasceu em Belém em 27 de Novembro de 1982. Trata-se do predestinado por Deus Antonio Jefferson da Silva Santos, o Tonynho Santos. Ele já era conhecido na música colocando todo mundo pra dançar quando ingressou no rádio. E nas duas carreiras de sucessor, seja como Tonynho e Banda ou no rádio ele agradece o incentivo de um famoso comunicador também jurunense, a quem Santos chama de padrinho: “O Bento Maravilha foi tudo na minha vida. De conselho, amizade... ele foi um pai profissional pra mim. Ele não só me encaminhou para música e quando eu já estava bem amadurecido na música ele me incentivou a apresentar um programa numa rádio comunitária que ele estava abrindo no bairro”.
 Era 2007 quando Tonynho iniciou na Rádio Comunitária Nação Jurunense FM. Sua forma espontânea, irreverente de comunicação não tardou a chamar atenção e ele foi para a Radio Belém FM, outra emissora comunitária, esta na Marambaia.  De lá recebeu uma proposta para apresentar o Top 100 na Marajoara FM.
Cada vez mais conhecido na comunicação, Tonhynho Santos recebeu em 2008 um convite para apresentar Feirões de carro. E foi em um desses eventos na Tuna que mudou sua vida. “A Jovem Pan foi fazer a cobertura do feirão da Chevrolet e o dono que seria entrevistado disse que o locutor do Feirão, que era eu, poderia fazer os flash para a rádio e coincidiu estarem precisando de um locutor na emissora pois  Alex Alexandre estava se transferindo para Tucuruí”.
Homem de muita fé, carismático, querido de crianças e adultos, mas faltava o ápice da carreira. E foi ao sair da Jovem Pan, um ano e três meses depois de entrar que ele se transferiu pra Imperatriz-Ma onde continuou com a banda e apresentou o Interação Mix na Rede TV local, já em 2009. Mas a vontade de voltar para sua terra natal era grande. Insatisfeito com a sua situação na cidade em 2010, recebeu um telefonema de Jorge Kobara lhe oferecendo uma vaga de locutor na 99 FM, em Belém. “Não pensei duas vezes e voltei pra Belém”.
Começou no Alô Belém, de 6h as 8h, com a nova proposta do horário, permeado de músicas do Roberto Carlos. Depois passou para o horário atual, de grande sucesso, com três programas de 17h as 22h, com destaque para a Reflexão do Dia e muita animação, além do uso de espressões que aciram no gosto popular como "Debaaaaais" e "Vou jogar meu corpo no pisão". 
De bem com a vida, Toninho Santos não esquece de agradecer ao grande responsável por tantos bons acontecimento em sua vida. “Eu dou graças a Deus que as coisas aconteceram muito rápido pra mim. Quando Deus põe a mão, acontece e uma porta foi abrindo a outra”.









domingo, 4 de maio de 2014

Silva Júnior - O Comunicador do 3º Milênio


Silva Júnior iniciou como estagiário de esporte e polícia na Rádio Liberal no final da década de 70. A época a equipe de esportes chamada Equipe Legal tinha o lendário Jaime Bastos como diretor.
Em 1979 passou para a TV Guajará onde dividia as reportagens com a então iniciante Heloísa Huhn. “As imagens não tinham som. Tinha que levar também um gravador de áudio durante as entrevistas”, recorda Silva.
Em 1980, passou para Rádio Guajará FM pelas mãos de Advaldo Castro e Paulo Ronaldo. Depois Rádio Clube e no ano seguinte embarcou para a Funtelpa. Era 1983, a emissora pública funcionava em onda tropical.
No ano seguinte seguiu para o Maranhão. Silva Júnior ficou de 1983 até abril de 1985 na rádio Imperatriz-Ma. Neste período também teve rápida passagem pela Rádio Bandeirantes, de São Paulo.
Quando retornou a Belém, a passagem do Cometa Haley próximo a terra era o assunto do momento no mundo. E foi pegando esse gancho que S. Júnior fundou um jornal alternativo chamado "Apocalipse" e ao entregar um exemplar para Jarbas Ferreira, diretor da Rádio Rauland, recebeu um convite para apresentar o Programa “Geração 2000, Geração Haley”. 
Ali Silva Júnior ficou conhecido como o Comunicador do Terceiro Milênio. O comunicador ficou 28 anos na emissora pioneira em FM no Pará onde também apresentou o Teleshow, em 1987 e também foi o primeiro apresentador do Flash 95, grande sucesso de audiência apresentado por Sandro Vale há mais de 20 anos.

Silva Júnior ajudou a introduzir nas rádios FMs os ritmos populares como Brega na Rádio Rauland.
Silva Júnior participou do surgimento das rádios evangélicas paraenses. Com o apoio da Igreja Adventista, a antiga rádio Maguari passou a ser a “Voz da Esperança” no Pará. Surgia a Rádio Novo Tempo tendo Silva Junior como o primeiro locutor. Era dia 3 de junho de 1998 quando ele anunciou a rádio diretamente do estúdio na Br 316 Km 1. O prédio era alugado, tinha apenas uma recepção e o estúdio do ar com aproximadamente cinco metros quadrados.
Em 2014, Silva Júnior passou a reforçar ainda mais a programação da Metropolitana FM. 
Silva Júnior resume de maneira direta ao explicar seu amor pelo rádio: “Sou fascinado pelo improviso e o rádio te dá essa grande chance de desenvolver seu raciocínio”.

Alô amigos da Cultura, faaala o Edgar Augusto


Edgar Augusto Proença começou a trabalhar em rádio nos anos 60, com 15 anos de idade. Entrou para a Rádio Clube como o primeiro plantonista da rádio. Passou 15 anos na Clube e depois que a rádio foi vendida, Edgar e seus irmãos fundaram uma emissora chamada Rádio Cidade Morena, que hoje é a Jovem Pan FM.
Edgar trabalhou ainda na Cidade Morena, mas depois foi para a Rádio Cultura.
Edgar trabalha ainda em televisão e também já foi Professor  da disciplina Radiojornalismo do curso de Comunicação Social da UFPA.
Em 1º de março de 1972 na Rádio Clube do Pará estreou o programa “Feira do Som”. A atração se confunde com a história do jornalista e radialista no rádio. Nessa época a atração tinha como produtor o grande jornalista Roberto Barbosa. Atualmente, o programa é veiculado de segunda a sexta, na Rádio Cultura FM, de meio-dia às 14h. Nascido em uma família de radialistas, filho de Edir Proença e neto de Edgar Proença, começou a atuar na empresa da família, a Rádio Clube, no setor de esportes.
 Na década de 90, o programa “Feira do Som” se consolidou como a única ponte entre o público e a música paraense no rádio. O estilo que Edgar Augusto concedeu ao programa também se tornou símbolo da qualidade que a Cultura buscava em sua programação musical. Além de se especializar nos lançamentos de música da terra e de divulgar as melhores produções da Música Popular Paraense, a Feira do Som seguiu a linha de distribuição de prêmios para ouvintes que acertassem perguntas sobre a cultura da terra.
Edgar se inspirou no estilo jornalístico/musical exibido pelo “Pocket Show”, do publicitário Rosenildo Franco, projeto que o antecedeu, e sempre manteve uma linha de informações, entrevistas e, sobretudo, de lançamentos de discos. O Feira do Som ficou na Clube de 1972 a 1982, passando depois para a Rádio Cidade Morena, hoje Jovem Pan, onde permaneceu até 1985. Estreou em 1986 pela Rádio Cultura, e de lá jamais saiu.

Fonte: Portal Cultura / O Pará nas Ondas do Rádio.



Pedro Paulo Ribeiro – PPR.


Nascido em 29 de Junho de 1950, Pedro Paulo Ribeiro nasceu em Belém, no bairro da Cremação. Como repórter de radio, o PP, destaca as entrevistas três Presidentes da República e três Papas. “Pra mim, que sou um religioso, entrevistar João Paulo II, Bento XVI e por último o Papa Francisco na jornada mundial da Juventude, é uma honra muito grande”, conta Pedro Paulo que ainda acrescenta: “Em 1985, eu visitava as rádios para divulgar os Piratas da Batucada, Vila Farah, A Grande Família, entre outras. Ou seja, o carnaval me levou para o rádio”. E foi numa dessas entrevistas de divulgação que o diretor Guarany Júnior da Liberal AM o convidou para labutar nos microfones.
Ribeiro se formou em Jornalismo e Relações Públicas. Ele ainda passou pela Super Marajoara teve como grande mestre o Amarelinho Paulo Ferrer. Depois para a Rádio Clube, onde fazia o programa Fala Povão. Em sua volta ao Grupo Liberal seu trabalho se destacou na CBN.
Atualmente, Pedro Paulo está na Rádio Mix FM, com Nonato Pedreira no Mix Atualidades. Mas ele também credencia seu crescimento no rádio a grandes professores: Valdo Sousa, J. Serrão, Ailton Silva e Agripino Furtado.