sábado, 28 de dezembro de 2013

Jorge Luiz - o garotinho que sabe o que diz

Nascido em 1955, Jorge Luiz Silva é, para muitos, disparado o maior talento da narração esportiva paraense. Natural de Bragança, interior do Pará, desde muito cedo mostrava talento para comunicação. Acompanhando as narrações de seus ídolos no rádio decidiu que mudando para a capital paraense conseguiria uma oportunidade para seguir na comunicação. E foi assim que, em 1983, chegou a Belém.
O tom grave da voz e a fluência lhe garantiram ingresso no rádio numa época em que grandes nomes também despontavam. Apelidado de “O Garotinho que sabe o que diz”, Jorge Luiz passou por outros prefixos, inclusive a Rádio Liberal AM, mas foi na Rádio Marajoara  AM que ele ficou 14 anos narrador e coordenando equipes esportivas. Nesta emissora, além de liderar os “Titulares do Esporte”, o “Garotinho” também apresentava um programa de variedades de muito sucesso que influenciou gerações de radialistas, o “Show da Cidade”.
Depois de narrar os principais momentos esportivos do futebol paraense na emissora de Carlos Santos, em 2013 Jorge Luiz surpreendeu o mundo da comunicação paraense ao apostar em um novo projeto esportivo, a Equipe Bacana da Metropolitana FM.
Nesta nova empreitada, o narrador embarcou em um campo pouco jogado ainda: esporte em FM. Apoiado pelo deputado federal Wladimir Costa, idealizador do projeto esportivo, Jorge Luiz montou uma equipe mesclando a experiência de Laulito Miranda, Mario Jorge e do saudoso Nonato Santos com a juventude de Felipe Silva, entre outros. Não deu outra: sucesso. E em ano de Copa do Mundo, no Brasil, Jorge Luiz ainda tem muitas emoções para passar aos amante de futebol.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Paulo Caxiado - O Fenômeno Azul



Pensou no “Leão de Antonio Baena”, não tem como esquecer de Paulo Caxiado. Nascido em 4 de novembro de 1956, ele inflama a rivalidade no Re x Pa. Assim como Dinho Menezes pelo Paysandu, Caxiado é o legítimo representante da torcida (neste caso remista) nos gramados. Seja em Belém ou fora do Estado, não importando se o clube está em alta ou não, este repórter está ao lado do Leão, com quem ele conversa nas narrações esportivas, o que diverte ainda mais os torcedores, aumentando as provocações (sadias) do clássico “Rei da Amazônia”.
Tanto carisma já lhe rendeu até homenagem do adversário, em clima de gozação, é claro. Certa vez o atacante Zé Augusto do Paysandu fez uma comemoração, no mínimo, inusitada após marcar um gol num Re x Pa. Na hora que marcou o gol que decretou a vitória do Bicola, o “Terçado Voador” imitou uma pessoa mancando, deixando muita gente curiosa sobre o que aquilo representaria. Passado o momento de euforia, o Zé da Galera confidenciou. “Imitei um grande repórter que trabalha no clube rival”, revelou se referindo ao folclórico repórter Paulo Caxiado que não perdeu a esportiva ao saber que o gol foi batizado de “Mancuso”.
Há 21 anos trabalhando na área esportiva e há 19 anos setorizado no Clube do Remo,  “Caxi” explica sempre que “Essa questão é apenas um acirramento do RexPa. Crio situações engraçadas para o clássico, coisas que o torcedor gosta”, garantiu.
Cobrindo o Filho da Glória e do Triunfo, Caxiado se considera um vencedor. E os números comprovam isso. Além de memoráveis participações em campeonatos nacionais, como o título da Série C de 2005 e uma quarta colocação na Copa do Brasil, o repórter já acompanhou mais de 10 títulos estaduais do clube. 
Além da irreverencia, Paulo Caxiado é perito em marcar ídolos remistas com apelidos que se tornam verdadeiras marcas: O príncipe Gian, O Imperador Júlio Cesar, Rei Artur, Seu Boneco Agnaldo, etc. Também é um excelente criador de expressões. Entre as mais famosas uma que se refere ao Remo, mas que também serve para este grande talento do rádio: O Fenômeno Azul. 
2015 é marcado na história deste repórter setorista como o ano da homenagem feita pela Escola de Samba Embaixadores Azulinos como tema de samba enredo no Carnaval de Belém: "A voz que estremece a planície e enaltece o Leão - Paulo Caxiado".



terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Dinho Menezes - O Bola de Fogo

Foto de 1987, na extinta Rádio Guajará Fm.
Valmir Rodrigues, Dinho Menezes com cabeleira e o saudoso Ted.
Ele é a voz do Paysandu nas narrações esportivas da Rádio Clube do Pará AM. E é ao comando deste setorista que o Lobo Bicolor uiva inflamando os torcedores que  se divertem enquanto os remistas o respeitam pelo profissionalismo. Nascido em Belém no dia 8 de maio de 1971, Dinho Menezes é um dos mais talentosos repórteres esportivos do Para. Mas desde a infância na Vila Izabel já despontava como um comunicador nato. E foi na companhia de amigos vizinhos que ele demonstrou interesse por rádio pirata. Tanto que aos 16 anos, na virada de 86 para 87 ingressou como auxiliar de estúdio e operador na extinta Guajará FM.
Entretanto foi na década de 90 que Dinho Menezes despontou. Foi de 1992 a 1994 que ele ficou na Antena 1. Já em 97 passou pela 100,9 FM. No ano seguinte foi pra a 101 FM e Antena 1( MACAPÁ).
Tony Santos , Sidney Araújo , Dinho Menezes, Laulito Miranda
e Carlos Gaia formaram a equipe de esporte da Rauland em 1999.
No final dos anos 90, o "Bola de Fogo" voltou para Belém, na 100,9 FM e no ano 2000 ingressou numa das melhores equipes de transmissão esportiva da época. Dividiam com ele os microfones da Rauland FM Valmir Rodrigues,, Laulito Miranda, Carlos Gaya, entre outros. Já em 2001, ele continuou em ascensão na Liberal AM, onde permaneceu até 2006. Neste período, Menezes acompanhou os principais momentos da história do Paysandu. Tanto destaque resultou em sua transferência para Rádio Clube. Ali se manteve no auge da carreira. Com a emoção passada por Dinho Menezes em cada narração ( show), o Lobo ainda vai ter muitos uivos transmitidos ao vivo.
Com Valmir Rodrigues, o Valmireco, outro grande talento do rádio.
Dinho Menerzes, Paulo Caxiado e Géo Araújo.






domingo, 24 de novembro de 2013

José Luís Souza - o Homem da Capa Preta



Nascido em 24 de Novembro de 1959, o menino que narrava jogos de futebol de botão no bairro da Condor nasceu José Luís  Souza, cresceu chamado de Zélo, mas um blazer sobre os ombros confundido por um cinegrafista no estúdio do Programa TV Cidade acabou lhe dando o apelido que se tornou uma marca no rádio e televisão paraense ao longo de 28 anos de carreira.
E com este nome artístico foram centenas de reportagens de escândalos políticos e empresariais, de cunho social, esportivas de repercussão nacional e até internacional.  José Luís passou pelas principais emissoras de rádio do Pará, entre elas Guajará (onde também atuou pela TV), Rauland e Marajoara AM e FM.
Atualmente no programa Mexe Pará Notícias, apresentado por Silvinho Santos, o Capa Preta mantém o estilo jornalístico polêmico e de notícias exclusivas que vez por outra pautam as redações de jornais, TV e até de rádio. Tal característica jornalistica o coloca na condição de um dos maiores, se não o maior, repórter do rádio paraense. 



quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Valdo Sousa - o Homem Sorriso do Rádio



O radialista nascido em Março de 1963 nasceu em Belém e dividiu sua infância entre a Jabatiteua e a Cidade Velha onde alimentou o sonho de seguir na comunicação o que aconteceu primeiramente como locutor comercial, tendo pontuado principalmente nas lojas Makell e Regatão do saudoso empresário e desportista Manoel Messias. Fluente, foi convidado para ingressar no rádio e se destaca até hoje principalmente no segmento esportivo. Passou pelas principais emissoras de rádio ligadas ao esporte, entre elas Rádio Clube ( Clube da Manhã)e Marajoara AM ( Show da Cidade). Também se destacou na Marajoara FM com o "Alô Comunidade". Contudo teve passagem também marcante na TV, onde por 6 anos apresentou o Balanço Geral, da Rede Record. Nesta emissora trabalhou por 8 anos, tendo apresentado, no período, também os esportivos Terceiro Tempo e Esporte Total. Seu primeiro Jornal na emissora foi o Record em Alerta. Na Record News, ancorou o Alerta Total. 
Muito querido no meio jornalístico, “o Homem Sorriso do rádio”, como ele é conhecido sempre credita seu sucesso a Deus, família e as grandes amizades como Guilherme Guerreiro e Wladimir Costa. Atualmente, Valdo Sousa está na Rádio Metropolitana FM, apresentando o Comando Geral. Também labuta no segmento esportivo pela emissora AM mais antiga do Pará, a Rádio Clube.
Valdo Sousa recebeu em Brasília, no Memorial JK (2005), o troféu Bola de Ouro, considerado Oscar do rádio.
Betão(tocando violão), José Lessa(de óculos escuros), o finado Jessé Bastos, um dos mais antigos operadores de áudio da Rádio Clube, e Orlando Santos( irmão do saudoso Eloy) disc- jóquei, também da Rádio Clube. Em pé estão o lembrado repórter esportivo da Marajoara, Jurandir Bonifácio e os “descamisados” e outrora magricelas Valdo Souza(mão nos olhos) e Pio Neto.A senhora que está ao lado de José Lessa não foi identificada, podendo ser a esposa do conhecido e veterano rádio- repórter.








segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Pio Netto - Comentarista predileto

Formado pela Universidade Federal do Pará,  Pio Menezes Veiga Netto e delegado de Polícia Civil concursado, pós-graduado em segurança pública, conta em sua experiência ter dirigido as principais seccionais da RMB. Jornalista esportivo desde 1981, atualmente colunista do Jornal O Liberal e comentarista da Rádio Marajoara AM 1130. Político atuante está no seu terceiro mandato legislativo. Seu atual compromisso é o de vereador de Belém, pelo Partido Trabalhista Brasileiro-PTB, eleito com 9125 votos, o mais votado da bancada e o quarto lugar geral. Na Câmara Municipal de Belém, assume a presidência da Comissão de Constituição e Justiça, e a posição de líder do Partido. 
 
Jornal Diário do Pará - período de 1983 a 1991 - Funções de Editor de Esportes e Colunista Esportivo.
TV RBA - período de 1986 a 1993 - Função de debatedor permanente do programa Bola em Jogo.
Rádio Liberal AM - período de 1990 até atualidade - Função de Comentarista Esportivo
TV SBT - período de 2001 até 

Jornal O LIBERAL - Colunista Esportivo desde 2003.
  
CARGOS RELEVANTES OCUPADOS   

Coordenador Geral da Fundação Desportiva do Pará, responsável pela gestão do Estádio Olímpico do Pará-Edgard Proença (Mangueirão).
Presidente da Associação dos Cronistas e Locutores Esportivos do Pará - ACLEP - de 1991 a 1992
Vereador do município de Belém, eleito em 1999
Deputado Estadual, eleito em 2002
Inspetor Geral da Guarda Municipal de Belém - 2007
Eleito vereador em 2008 com 9.156 votos
Líder do PTB na Câmara Municipal de Belém 2009.
Vereador do município de Belém, eleito em 2012.

 OUTROS FATOS EXPRESSIVOS 

Recebeu o prêmio Bola de Ouro
Foi considerado um dos Deputados Estaduais mais atuantes da ALEPA
Foi eleito destaque do ano de 2007 pela Associação Comercial e Industrial de Icoaraci

Recebeu o diploma de "Amigo do Ver-o-Pêso" em 2008.

Carlos Estácio - o repórter de todos os tempos

 

Carlos Antônio Gonçalves Estácio nasceu em Belém, em 1940. Sua mãe Antônia Gonçalves Estácio era brevense e seu pai Antônio Estácio era Grego.Entrou para o rádio em 1º de Setembro de 1953, na Rádio Clube do Pará. Sua função era levar resultados de treinos de jogos amadoristas para a redação. Ele já esteve no comando da equipe de esporte da Rádio Clube durante muitos anos.
Carlos Estácio viveu um período em que o rádio esportivo não permitia que o narrador defendesse seu time enquanto trabalhava, nem mesmo os repórteres poderiam se declarar de um time ou outro, diferente do que acontece atualmente.
Carlos Antônio Gonçalves Estácio faz parte da história de Breves. Ele é reconhecido por sua destacada atuação na comunicação e na política brevense.
Em 1968, Carlos Estácio casou-se com Vera Lúcia Guimarães Estácio, com quem teve três filhos: Adriana, Danielle e Sávio.
Em 1973, Carlos Estácio foi convidado pelo Prefeito de Breves, Wilson Câmara Frazão, a assumir o cargo de procurador municipal em Belém, função essa que exerceu na resolução de importantes serviços e que permitiram anos depois que ele fosse indicado para concorrer ao cargo de gestor municipal. Assim, Carlos Estácio se elegeu Prefeito de Breves para o mandato de 1977-1982 (prorrogado por dois anos).
Foi responsável pela realização de grandes obras e importantes projetos sociais, sempre contando com a colaboração de sua esposa, Vera Estácio, que até hoje é considerada a melhor 1ª Dama de Breves.
Realizou importantes obras de pavimentação das principais ruas da orla da cidade. Fez a desapropriação do pátio de estocagem de madeira da empresa BISA (Breves Industrial Sociedade Anônima), que tinha encerrado suas atividades em 1969. Em seu local, construiu a Praça do Operário, que foi reformada em 2011 pelo atual Prefeito Xarão Leão. Também desapropriou e indenizou o terreno do Internato Evangélico Amazônia da Igreja Cristã, aonde hoje se encontra o bairro “Cidade Nova”, que é o mais populoso de Breves.
Foi o primeiro diretor do quartel “Tiro de Guerra”.

Novo degrau na carreira politica

Com os resultados de sua boa gestão, Carlos Estácio resolveu galgar um novo degrau em sua carreira política. Renunciou seis meses antes para se candidatar as eleições de 1982, quando conquistou uma vaga de Deputado Estadual. Nesse período, Carlos Estácio, em parceria com Adilson Almeida, Floriano Gonçalves e Lino Alves, fundou a Rádio Marajó de Breves.
Mesmo com uma agenda corrida na função parlamentar, Carlos Estácio nunca se esqueceu do Marajó. Tanto é verdade que posteriormente se elegeu novamente Prefeito de Breves, entre 1993-1996.
Nessa segunda gestão como Prefeito, Carlos Estácio trouxe à Breves, pela primeira vez, o Padre Reynato Frazão de Sousa Breves, escritor do livro “A Saga dos Breves”, onde consta um bibliografia da Família Breves. Esse evento foi um grande sucesso, pois resgatou parte da história e memória da cidade. Na ocasião, Padre Reynato Breves, inaugurou o Busto do Frei Dolsé.
Em 1993, foi responsável, com apoio de sua esposa Vera Estácio, pela estruturação do Conselho Tutelar de Breves.
Em 1994, criou o Conselho Municipal de Saúde de Breves. Foi o primeiro Prefeito a instalar a sede do município nos três distritos: Antônio Lemos, São Miguel dos Macacos e Curumu, levando todo o secretariado, representantes da Câmara Municipal e outros órgãos do poder executivo.
Desde que deixou a Prefeitura de Breves, Carlos Estácio tem se dedicado apenas a sua primeira paixão – o rádio.
Atualmente atua na Rádio Clube fazendo esporte e jornalismo. Lançou o programa esportivo de sucesso na Rádio Clube, o “Gastando a Bola”, no ar há mais de 45 anos. Carlos Estácio dirige o programa diário, “Ultima Edição”. Como repórter da Rádio Clube fez cobertura das Copas do Mundo da Espanha, França e Alemanha e agora está credenciado para a cobertura da Copa no Brasil.
Também é Assessor de Imprensa da Assembleia Legislativa do Estado e repórter da Rádio WEB ALEPA. Teve o privilégio de desempenhar a função dos dois principais times do estado do Pará (Paysandu e Remo). Como Assessor de Imprensa do Paysandu, conquistou os títulos de Campeão do Norte e Campeão dos Campeões. Como Assessor de Imprensa do Clube do Remo, conquistou o título de Campeão Paraense 100% Invicto.
Foi o primeiro presidente da Associação dos Cronistas e Locutores do Estado do Pará (ACLEP).

60 anos de Rádio Clube
Ao longo de sua vida recebeu diversas homenagens. A mais recente foi da Câmara Municipal de Belém que lhe entregou o título de Honra ao Mérito por seus importantes serviços como radialista da Rádio Clube. Na cidade de Brusque, em Santa Catarina foi agraciado com o troféu Bola de Ouro como um dos melhores repórteres esportivos do país.
Em 2008, Carlos se tornou Diretor administrativo da TV RBA Breves (retransmissora da TV Bandeirantes de São Paulo), que é considerada atualmente como a melhor TV local, com um quadro de excelentes profissionais, como Thiago Oliveira, Marcos Onias, Marlon Nascimento, Núbia Alves, Josias França, Hugo Barreto, Márcio Marcelino, Ivan Bahia, Deyd Oliveira, Carlos Fialho etc.
Em setembro de 2014, Carlos Estácio estará completando 60 sessenta anos de atividade na Rádio Clube.
Em Breves, Carlos e Vera Estácio deixaram muitos amigos e admiradores que lembram saudosos de suas companhias e de muitas ações importantes que realizaram em prol da melhoria de vida dos marajoaras. Entre os programas esportivos de sucesso na Rádio Clube, está o “Gastando a Bola”, no ar há mais de 30 anos. 
Entre o destaques de seu trabalho como repórter está a cobertura do funeral do ex-governador Magalhães Barata.
Atualmente, além de participar de coberturas esportivas, com destaque para Copas do Mundo, inclusive no Brasil em 2014, apresenta o jornal Última Edição e participa como repórter do programa Clube da Manhã, apresentado por Nonato Cavalcante.































quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Adonai do Socorro




Mais de 30 anos de rádio e experiência em radiojornalismo esportivo e policial. Esses são alguns destaques na carreira radiofônica de Adonai do Socorro. Adonai sempre desejou ser locutor e pôde realizar a vontade ainda fora do rádio, na Paróquia de São Pedro e São Paulo, em Belém, onde iniciou fazendo leituras. Lá recebeu as primeiras noções de dicção e empostação de voz.
Com o sistema de auto-falantes da igreja, Adonai foi ouvido por um funcionário da Rádio Guajará e convidado para fazer um teste. Aprovado, iniciou no rádiojornalismo esportivo. Sua primeira missão foi fazer cobertura de um jogo da Tuna Luso Brasileira. Adonai confessa que sentiu dificuldades no começo, mas recebeu grande apoio dos profissionais mais antigos da rádio.
Depois da Guajará, Adonai foi para a Rádio Liberal e lá conciliou o esporte ao radiojornalismo policial. Nessa rádio, Adonai atuou por 10 anos como repórter policial. O primeiro programa que trabalhou foi o Chamada Geral, ao lado do radialista Paulo Ronaldo. Com a morte de Paulo Ronaldo, Adonai continuou no radio policial, mas com outro programa, o Comando Liberal .
Adonai do Socorro trabalhou ainda na Rádio Clube do Pará, mas lá passou apenas 6 meses. Hoje o radialista trabalha na locução e apresentação de programas na Rádio Liberal e é dono da empresa de comunicação Adonai Publicidade
Adonai permanece no Grupo Liberal, neste caso a Rádio CBN-Belém. Paralelo ao rádio ele também exerce a função de Inspetor da Guarda Municipal.
Radio Liberal em 1980 - Waldir Oliveira, Guarany Júnior, Ivo Amaral, Adonay do Socorro, Meireles Fayal, Márcio Lages, Carlos Cidon e Reinaldo Vieira


segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Jefferson Lima - Show da Manhã

Jefferson Ely Vale de Lima nasceu em 30 de Novembro de 1974. Desde a minha infância pobre na Pedreira, “trabalhando na taberna do saudoso Bordalo, ou vendendo picolé nas ruas eu sempre alimentei o sonho de um dia mudar de vida com a força do meu trabalho” como conta Jefferson Lima que ainda acrescenta: “Pois sempre trabalhei muito. Eu chegava a conciliar o início de minha carreira na comunicação com um táxi que eu dirigia de madrugada para ajudar minha mãe nas despesas como fiz desde criança”.
No dia-a-dia passou a alimentar o sonho de trabalhar no rádio e na televisão. Enquanto esta realização não chegava, os microfones reservaram para Jefferson o trabalho como locutor de festas, na antiga Broduway, uma casa de shows no bairro de Canudos.

Com passagens por várias rádios do interior do Estado, inclusive Paragominas e Breves. E foi em 1995 que ele teve sua primeira oportunidade nas rádios de Belém. Primeiro a rádio 99 FM, depois a Rádio Jovem 100, 9 MHz ( hoje Mix FM). Contudo em 1999 passou a integrar a equipe de locutores da rádio Raland. Era o repórter OI do programa Comando Geral, apresentado por Wladimir Costa. Também participava do programa Alô Show de Nonato Pereira.
Naquele mesmo ano conseguiu seu próprio programa, primeiro a tarde, depois de manhã. Estra atração matinal, de 9h às 11h se chamava Show da Manhã.
Já tinha desde 2007 seu próprio programa de televisão (Jefferson Lima na TV na antiga emissora da rádio onde trabalhava, depois de rápida passagem pela Rede TV com o Repórter 47).Contudo em 2012, Jefferson Lima se lançou candidato a prefeito de Belém. Por compromissos eleitorais deixou o rádio e televisão. Voltou somente no ano seguinte. Na TV Grão Pará com o Programa Jefferson Lima Livre e desde 30 de setembro de 2013 na Rádio Boas Novas.  
Em Novembro de 2014, o comunicador passou para o Grupo RBA apresentando o Programa JJefferson Lima na 99 FM e na  RBATV.
Jefferson Lima, Nonato Pereira, Janjão e Paulo Brasil




Nonato Pereira - Mix Atualidades



  Raimundo Nonato Pereira nasceu em Belém no dia 30 de Janeiro de 1963. Filho único de Maria José, Nonato Pereira não conheceu o pai e cresceu na casa onde a mãe trabalhava. Ela faleceu quando o menino ainda tinha dois anos. 
Praticamente se auto sustentava desde cedo através de pequenos “bicos”, sem contar a ajuda nos afazeres domésticos. Entretanto, nestes serviços, o preferido era “cantar” bingo no quintal da casa de um vizinho, na Travessa Angustura, na Pedreira. Ali nascia o sonho de seguir a carreira de seus ídolos no rádio: Clayton Palmeira, Ronald Pastor e Eloy Santos.
Com quinze anos saiu de casa para morar na companhia de amigos. Nesta época, enquanto estudava no colégio Vilhena Alves, aprimorava sua locução como mestre de cerimônia do colégio, função que praticamente garantiu quando chegou a presidência do Grêmio Estudantil.  Nesta época trabalhava como locutor de porta de lojas no centro comercial de Belém, além disto gravava comercial para as empresa de publicidade de Orly Bezerra, que anos mais tarde fundaria uma das maiores agencias de Comunicação do Pará, a Griffo.
Começou no rádio em rádio em 1986, na Rádio Guajará FM ao lado de Hélio Dória, Fernando Navarro, Agostinho Monteiro e Walmir Rodrigues. Antes disso, teve experiência como repórter da TV Bandeirante, que a época não tinha uma filial no Estado, hoje a TV RBA.
No final dos anos 90 passou para a Rádio Liberal FM onde apresentou até 1997 o Show dos Bairros. Depois se transferiu para a Rádio Rauland, onde permaneceu até 2010.
Desde 30 de Janeiro de 2011 apresenta o Mix Atualidades na Mix FM 100,9 MHz, antiga Marajoara FM. A atração que começou a tarde desde novembro de 2011 passou para as manhãs da emissora.